1. CIDADEIDENTIDADE – INTERVENÇÕES / INSTALAÇÕES, 2001.

• Cidadeidentidade – Arte Pública e Identidade

Coordenação e curadoria: Lilian Amaral, Artista Visual.

Intervenções humanas e urbanas, projeto interdisciplinar de formação e integração de artistas e agentes culturais. Antes do festival de inverno um grupo de artistas e interessados recolheram depoimentos e realizaram registros em vídeo, fotografia e gravações sonoras das memórias de moradores da Vila de Paranapiacaba abordando sua relação com o lugar. Este material foi utilizado para compor instalações em espaços públicos, midiáticos e institucionais durante o I festival de inverno, com a participação da comunidade local, artistas participantes e meios de comunicação.

CidadeIdentidade, projeto da artista visual Lilian Amaral especialmente concebido para o I Festival de Inverno de Paranapiacaba estimula em cada pessoa a posse da própria identidade e através deste sentimento individual, constrói o mapa dos desejos coletivos. Estes desejos estão expostos interna e externamente através dos meios de comunicação, o que é também uma maneira de reagir e responder a toda esta informação de interesse comercial e privado que hoje domina os canais visivos de comunicação, recuperando-os para transmissão de idéias e sentimentos de interesse humano coletivo. Um resultado artístico que permaneça, uma estética que nos identifique, só pode ser conseqüência de uma atitude social e não de um isolamento intelectual. A arte pública está no Festival de Inverno de Paranapiacaba inserida nos meios de comunicação, nos espaços culturais, nas ruas, envolvendo as pessoas, é orgânica, dialógica, humana, espaço aberto…Contemporâneo.

João Ricardo Guimarães Caetano
Sub Prefeito de Paranapiacaba e Parque Andreense

museu_01.jpg

Outdoor e intervenção urbana I Festival de Inverno de Paranapiacaba, Lilian Amaral, 2001.

Fragmentos para Banners
Cidadeidentidade

“As cidades se miram continuamente em sua produção artística. Um espelhamento que se repõe numa identidade diariamente construída.”
Sergio Miceli
A Metrópole e a Arte

“… mesclando elementos da realidade escolhidos no percebido imediato com elementos retirados das tradições imaginárias do indivíduo ou da sociedade, o artista utiliza as técnicas para informar a matéria. Ele cria assim objetos para permitir à sociedade tomar consciência dela mesma e comunicar às outras suas hipóteses.(.. ) A Arte nos informa mais sobre os modos de pensamento de um grupo social que sobre os acontecimentos e sobre o quadro material da vida de um artista. A obra está no imaginário”.
Pierre Francastel
Realidade Figurativa: elementos estruturais de Sociologia da Arte

“uma das característica mais importantes da arte recentemente é o grande número de artistas que incorpora a incoerência da cidade moderna em seu trabalho criando um tipo de escultura social, que redefine a noção de Arte Pública. ”
Christa Burger
The desappearence of ART: The postmodernist Debate in the US Telos.

“Fruto de desritualização de nosso mundo que valoriza mais o novo que o antigo, os jovens do que os velhos, o futuro do que o passado, Museus, arquivos, cemitérios e coleções, festas, aniversários, monumentos e santuários, (…) são provas materiais de uma época da ilusão da eternidade. Daí o aspecto nostálgico dessas construções patéticas e glaciais…”
Pierre Nora
1984

“A mobilização do público em torno de um projeto de interesse da comunidade é tão importante quanto o resultado por ele desenvolvido, uma vez que problematiza o cidadão-participante em relação à sua realidade cotidiana. Ao ver seu “produto artístico” inserido no circuito urbano e fruído por inúmeras pessoas, o artista/público é levado a refletir sobre as formas de circulação e consumo da arte contemporânea a partir dos mecanismos utilizados pela publicidade e comunicação de massa.”
W. J. T. Michell
Art and Public Sphere

“(…) A obra cooperativa é um processo de troca mútua, um diálogo. O plano de obra do artista deve permitir flexibilidade e mudança. O artista deve constantemente ultrapassar as barreiras que separam arte e vida (…) estabelecendo uma aliança vigorosa entre arte e vida cultural das comunidades com a possibilidade de que artistas saiam de museus e galerias e entrem no espaço público e vivo da cidade, de que eles encontrem sua própria voz artística enquanto ajudam a expressar a voz dos outros.”
Mary Jane Jacob
Bienal na Rua. Jornal da Tarde, 1997

“(…) Diferentemente de um trabalho apresentado em um museu ou galeria, a arte do público acontece na via pública, provoca a percepção, inspira, informa e resulta de ou conclama a uma experiência compartilhada. Joseph Beyus fez arte do público e Christo continua fazendo.”
Ana Mae Barbosa
Bienal na Rua. Jornal da Tarde, 1997.

-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-

2. PARANAPIACABA: UM PRESENTE PARA O FUTURO. INTERVENÇÕES / INSTALAÇÕES, 2002.
“Qual é o seu desejo de futuro para Paranapiacaba?”

Coordenação e curadoria: Lilian Amaral, Artista Visual.

Com o intuito de promover e ampliar o debate em torno de Paranapiacaba e ao mesmo tempo estabelecer um “Ritual de Passagem”, desenvolvemos o Projeto Paranapiacaba: Um Presente para o Futuro – um conjunto de ações culturais, e artísticas articuladas em torno do II Festival de Inverno de Paranapiacaba – objetivando a constituição de um capital cultural que inscreva definitivamente este patrimônio no cenário contemporâneo e na mídia especializada.

Proporcionou o debate acerca da importância do Patrimônio Cultural e Ambiental representado por Paranapiacaba, que passa, em 2002, a integrar-se ao Patrimônio do Município de Santo André. Criou espaços de encontro e discussão estético-crítica, educativa e cultural entre artistas, pesquisadores, professores, estudantes e formadores de opinião tendo como pauta Paranapiacaba e seu processo de transição. Com o lançamento do projeto “Paranapiacaba: Um Presente para o Futuro“ pretendeu-se estimular o interesse pela preservação da memória e a valorização da imagem de Paranapiacaba desenvolvendo ações articuladas aos meios de comunicação, gerando interatividade junto ao público visitante estimulado a pensar as possibilidades de futuro para a vila, resultando em vídeoinstalações, vídeodepoimentos e intervenções urbanas.

museu_02.jpg

Inserção de textos/questões relacionadas ao futuro de Paranapiacaba,
videoinstalação/ videodepoimentos.
2002.

Anúncios

0 Responses to “antecedentes”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s





%d blogueiros gostam disto: